Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks

[Piso 2]  20 maio a 16 de julho


MARIA LEAL DA COSTA  exposição mãos que falam
 
DSC08426 750x421
 
"É manifesto o que pode ser alcançado ou seguro pela mão."
[J. Chevalier, A. Gheerbrant - Dicionário dos Símbolos]
 

 

Sabemos que a palavra 'mão' partilha a mesma raiz que 'manifestação'. Por certo, esta é uma evidência que não espanta, tamanha é a esperança que colocamos em todos os nossos gestos, num contínuo frémito de sonho a que buscamos fixar a forma.
Mais do que a palavra ou o olhar, o gesto desvenda camadas íntimas, recessos de personalidade que resultariam inapreensíveis na ausência dessa comunicação física a que somos instigados na relação com o outro e com o mundo que nos cerca.

 

DSC08490 563x750


De alguém ou de alguma situação capaz de nos cativar para além da medida do expectável, usamos dizer que nos tocou de um modo profundo. E se todos ansiamos ser tocados, poucos podem gabar-se de ter sentido efectivamente tal graça, bálsamo sem preço para essas almas que, com demasiada frequência, descrêm de si mesmas.
Olhando com atenção as próprias mãos, nunca duvidaríamos da potente alegria que nos guia no amor e em todos os momentos criadores, nos quais tomamos consciência dessa matéria infindável a partir da qual erguemos em permanência uma habitação para o ser.

 

Diálogo 750x500

*

 

«As mãos que Maria nos dá a ver nesta exposição iluminam todo um roteiro de gestos significantes, correspondendo a cada peça da série um conteúdo próprio que se impõe pelo seu forte pendor alusivo.
Somos, deste modo, colocados perante enunciados diversos, resultado da exploração formal de conceitos a que a artista procede de um modo que lhe é característico, buscando articular com harmonioso equilíbrio emoção e pensamento.
Fixas em estruturas metálicas de múltiplos formatos, as mãos realizadas em pedra ganham particular enfoque, abrindo espaço a momentos de sentido amplo que suscitam um sem número de leituras possíveis.
Olhando ao modo em que se articulam as obras nela reunidas, a exposição oferece-se ao visitante como um périplo que toma como referencial o domínio da gestualidade, com o riquíssimo acervo de símbolos que lhe está associado.
Melhor do que ninguém, o escultor conhece a gramática dos gestos. Uma vez que utiliza em permanência as mãos como ferramenta, dispõe de toda a autoridade para estabelecer hierarquias, elencar categorias.
As mãos talhadas por Maria Leal da Costa cumprem seguramente um plano, mas tal facto em nada limita a fruição e o entendimento das obras.
Mãos que escondem ou revelam. Mãos que acenam ou se erguem acusadoras. Mãos que se agitam e se rebelam. Mãos que prendem impositivas. Mãos que simplesmente pairam como aves indecisas. Mãos fantasmagóricas da infância. Mãos sumamente ternas do amor. Mãos que se abrem em dádiva infindável.
As variações são tantas quantas a imaginação daquele que contempla o permita.
Guiando ou sendo guiados, não acabamos nunca de conhecer o mundo.
Tacteamos a matéria confusa da realidade e sonhamos continuar construindo, com os resíduos da existência, o abrigo afectuoso e sensível que nos proteja da desmesura do tempo.»

Carlos Baptista

 

 Mão criadora 2 750x500

 

Maria Leal da Costa nasceu em Évora em 1964.
Frequentou o curso de escultura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.
Vive e trabalha em Marvão, no Parque Natural da sede de S. Mamede, onde tem atelier e desenvolve o projecto
"Alentejo Sculpture Park – Maria Leal da Costa – Parque de Esculturas de Marvão".
Desde 1994 expõe regularmente os seus trabalhos em Portugal, China, Itália, Espanha, França, Bélgica e Estados Unidos.
A sua obra encontra-se representada em Portugal e no estrangeiro, em colecções públicas e privadas.
Em 2015 foi Publicado o livro sobre a sua obra "Maria Leal da Costa – Escultura", editora Caminho.

 

WebConvite MARIA LEAL DA COSTA 750x422

 

 

O meu trabalho é uma procura constante de Beleza, uma ferida que me empurra para a busca do infinito e eterno que está dentro de mim. Percorrendo um caminho de felicidade.

 

«Apenas sei que caminho
Como quem é olhado, amado, e conhecido
E por isso em cada gesto ponho
Solenidade e risco»

Sophia de Mello Breyner Andersen

 

 


 www.marialealdacosta.com

 

 

 

 

 

Em Destaque

CICLO - HOMENAGEM

185FL-G

...

P E R C U R S O   L U S I T A N O

DSC07682 185

...

Agenda

<<  Julho 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
       1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31