Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks
Início envolve-te PINTURA FLAMENGA

pintura flamenga 185

 

 

[Piso 1]  7 de abril a 9 de julho


DE RUBENS A VAN DYCK | Pintura Flamenga da Coleção Gerstenmaier

 

 

 

 
 
 
 
 
De Rubens a Van Dyck
 
Pintura Flamenga da Coleção Gerstenmaier,
 
de abril a julho, no Centro Cultural de Cascais
 
 
Paisagem de Montanha com Mulas
Joost De Momper o Novo (Anvers, 1564-1635) e Jan Brueghel o Velho dito de Velours (Bruxelas, 1568-Anvers, 1625)
Paisagem de Montanha com Mulas | Sem data | Óleo sobre tela | 75x144 cm

 

Os grandes mestres flamengos como Rubens, figura central da pintura barroca, o seu discípulo Van Dyck, Brueghel, Van Thielen e Van Kessel, entre outros, ocupam o Centro Cultural de Cascais dando a conhecer pinturas relacionadas com a fé cristã, retratos, naturezas mortas ou temas mitológicos e as notáveis características da pintura flamenga, como o uso de cores vivas e o tratamento especial da luz.

Não é todos os dias que se tem acesso a uma coleção centrada na pintura flamenga que inclui obras desde o século XV ao século XVIII. Esta é a oportunidade para ver uma seleção de 30 pinturas e 37 gravuras de artistas flamengos como Rubens, Brueghel, Van Dyck, Van Thielen, Martin de Vos, Van Kessel, entre outros grandes pintores, alguns deles, anónimos ou círculos e seguidores de Anton Van Dyck ou de Van der Weyden que, com a maior mestria, criaram obras que retratam cenas religiosas, paisagens e naturezas mortas.
Na exposição é possível apreciar as notáveis características da pintura flamenga. Estes diferentes artistas desenvolveram as suas técnicas num dos períodos mais florescentes da história da arte e o resultado é um conjunto de pinturas que demonstram uma harmoniosa diversidade quer nos temas quer nas técnicas.

 

pintura flamenga 600 copy

Pierre-Paul Rubens (Siegen, 1577-Anvers, 1640)
A Virgem de Cumberland | Sem data | Óleo sobre madeira| 105x68 cm

 

Nas obras de caráter religioso, encontra-se um amplo conjunto de trabalhos em que, naturalmente, a fé (cristã) é a principal fonte de inspiração do artista. A produção dos pintores flamengos conta com um virtuosismo destacado e caracterizado por cores brilhantes. Entre as passagens mais representadas nestas pinturas religiosas podemos destacar algumas, como a infância, a paixão ou a vida de Cristo. Exemplos disso são a Virgen de Cumberland, de Rubens, a Adoración de los Magos, de Artus Wolffort ou Calvário de Victor Wolfvoet, em que vemos Jesus na cruz.

A natureza morta também é um tema em destaque na exposição. Pode ser apreciada a Natureza Morta, de Jan van Kessel, que marca o corpus da exposição pelas suas grandes dimensões, circunstância que a torna singular. A obra reúne elementos tais como flores, frutas, legumes, vasos, envolvidos por diferentes tecidos e com uma paisagem crepuscular subjacente.
São também dignas de menção as composições florais dos pintores flamengos onde se explana a mestria técnica, sem reservas. São características as coroas ou cestas repletas de diferentes flores, composições trabalhadas com tons vibrantes e ao pormenor. A exposição contém grandes obras que utilizam estes recursos como, por exemplo, Jarrón de jardín con flores de Gaspar Pedro Verbruggen II. Os detalhes são subtis, dignos de uma observação detalhada e pintura delicada, vendo-se até gotas de orvalho sobre as pétalas de flores.

 

Los Cuatro Vientos Septentrio

Johannes Sadeler (século XVII)
Los Cuatro Vientos Septentrio | Non datée | Tintas de impresión grasa sobre papel verjurado 

 

Outro tema presente na exposição é a mitologia. Embora a cultura ocidental tivesse como base fundamental o Cristianismo, a tradição greco-romana mantinha a sua importância. Esta idealização da cultura greco-romana, o surgimento de vários documentos, obras de arte e vestígios arqueológicos são as principais razões que levam à recuperação da tradição clássica. Na série de obras de Hendrik Goltzius, podem-se encontrar os temas mitológicos e alegóricos inspirados nos textos de Ovídio. Por exemplo, em Las tres Gracias ou na alegoria dos Quatro Elementos, os indivíduos são tratados dentro desta tradição muito pictórica.

O retrato também ocupa um lugar importante dentro dos trabalhos selecionados. O homem tinha também o lugar de protagonista na obra de arte. Estas pinturas estão associadas com o status e são reservadas a determinadas classes sociais ou personalidades. Na exposição podemos apreciar os retratos de Jean Charles de Cordes e Jacqueline van Caëstre, de Van Dyck. É também possível observar retratos na técnica de gravura de Van Dyck como o grabador Paulus Pintius, Adam van Noort, Jan Snellinck, Lucas Vorsterman, Jan de Wael, Paulus de Vos, entre outros.

A partir do final do século XVI, começa-se a assistir a uma certa "democratização" da imagem. Até ao século XV, a paisagem é relegada para segundo plano e aparece sempre como um suplemento de um tema central. Com esta transformação, a paisagem é reconhecida como um género artístico permitindo aos pintores mostrar as suas visões da natureza. Virgen de la leche, em que a Virgem Maria e o bebé estão no meio de uma natureza exultante é exemplo disso.
Há também algumas criações em que a natureza se torna tema protagonista e principal. A paisagem, como um género independente, serviu para testar e compreender a representação direta da natureza, o domínio de diferentes texturas e, acima de tudo, como um outro palco para trabalhar os efeitos de luz. O óleo sobre talha, Paisaje de montaña con mulas, de Joost de Momper e Pieter Brueghel, é um modelo representativo da exploração dessas técnicas. A composição de elementos, o jogo de luz e a imitação perfeita da natureza também se encontra no óleo sobre tela Paisaje con figuras clássicas, de Cornelis Huysmans.

Uma questão de influência – de Rubens a Van Dick
O estilo barroco domina as artes do século XVII e Rubens foi um dos seus melhores expoentes. O barroco incidia em temas dramáticos e intensos, iluminações exageradas, procurando o belo. Tratava-se de um estilo especialmente próximo da Igreja Católica e de reis como Luís XIV de França (1638-1615) que utilizavam a arte para criar uma imagem de poder absoluto de inspiração divina.

 

Retrato de Jan de Wael
 
Anthony Van Dyck (Anvers, 1589-Blackfriars, 1641)
Retrato de Jan de Wael da Série retirada da obra intitulada Iconografia ou a vida dos Homens Ilustres do século XVII 
1630 | Gravura - água forte sobre papel vergê

 

 

Culto e carismático, Rubens foi o pintor mais influente da época barroca. Pintava obras contrarreformistas, explorava temas religiosos, históricos e mitológicos. Foi também um grande retratista e no final da sua vida dedicou-se bastante à pintura de paisagens. Viveu em Itália cerca de oito anos e visitou Espanha, tendo contactado com outros pintores da época, como Velázquez. Em Antuérpia, nomeado pintor da corte do arquiduque Alberto da Áustria, onde ocupou uma posição artística e diplomática importante. Depois das suas viagens, montou um novo estúdio que albergava também os seus aprendizes, um deles, senão o mais famoso, Van Dyck que viria a ser reconhecido como o mais famoso retratista flamengo e frequente colaborador de Rubens.
Van Dyck tornou-se mestre e discípulo de Rubens em 1618, cujo estilo ele assimilou com extrema facilidade. Contudo, a sua mestria altamente aperfeiçoada começou antes, aos quinze anos. Instalou-se num estúdio próprio aos dezesseis anos, em Antuérpia, tendo trabalhado com Jan Brueghel. Aos vinte e um anos, foi nomeado assistente-chefe de Rubens e recebeu a tarefa de pintar o teto da Igreja Jesuíta de Antuérpia. Rubens foi o grande encorajador de Van Dyck a especializar-se em retratos, género em que demonstrava ter pouco interesse.

"O colecionismo é algo inato ao ser humano"
Estas são as palavras de Hans Rudolf Gerstenmaier, que possui uma das coleções de arte mais importantes da Europa. Gerstenmaier, como os grandes colecionadores, começou a recolher obras priorizando o seu gosto pessoal acima de outros fatores. A paixão pelo belo fez com que a sua coleção se tornasse uma das mais interessantes da Europa. Em trinta anos, reuniu mais de duas centenas de pinturas europeias de diferentes escolas, destacando a pintura flamenga.
Um dos grandes méritos deste colecionador é que a maioria das suas obras foram adquiridas em casas de leilões, galerias e lojas de antiguidades, e essa particularidade permitiu-lhe recuperar peças esquecidas e, porventura, sem rasto até então.

 

 

 

 

Em Destaque

Man Ray Noire et Blanche Paris 1926 185

EM ABRIL, NA CASA SOMMER

...

CONVERSAS 185

RAÚL LINO E A CASA DE SANTA MARIA, OU UM POSSÍVEL ARQUITETAR DE CASAS SIMPLES... ...

Agenda

<<  Abril 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
       1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
17181920212223
24252627282930