Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks
NATÉRCIA CANEIRA

Exposição Skyline Connect

28 de Fevereiro a 8 de Março de 2009


NATÉRCIA 750x250

 

A Fundação D. Luís I apresentou a exposição de Natércia Caneira no Centro Cultural de Cascais, "Skyline Connect". Esta exposição de fotografia e desenho, resulta de um projecto comissionado pela United Media, constituído por imagens fotográficas captadas por via digital, durante pequenos percursos realizados em Lisboa e Viena, durante o mês de Novembro e Dezembro de 2007. São trabalhos que abordam o estado de viagem como elemento dinamizador de processos criativos, e a construção cumulativa de experiências vivenciais enquanto elemento base de uma comunicação interligada

 

natercia 749x1285

Sinopse

A paisagem é um espaço subjectivo e em constante transformação, existe de novo cada vez que a contemplamos e redefine-se a si própria enquanto ideia de um local. É a sensação do lugar que produz a comunicação e é pela sua fruição que tomamos consciência da nossa própria existência. Quando essa existência é de natureza contemplativa, interagimos com a paisagem de uma forma muito peculiar.

Para mim a amplitude da paisagem surge como campo privilegiado de acontecimentos dinâmicos, que me fazem questionar o sentido da verticalidade e da autonomia do espaço. Por vezes encontro extensões do espaço etéreo que se suporta por detrás da realidade objectiva, são resíduos de momentos que reflectem a minha presença em toda a sua opacidade.

A subjectividade da paisagem intriga-me e incita-me numa procura da temporalidade do espaço vago dentro dos seus próprios limites. Frequentemente dou por mim em busca desses limites que a linha me perece colocar. A deambular pelos locais que me sugerem uma relação mais intuitiva com a paisagem, utilizando a linha como registo dessas expedições pelo meu próprio espaço sensorial.

Parece-me intrigante que algo tão presente como a paisagem urbana, demonstre a capacidade de se fundir numa abstracção, onde o lugar se desenha a si mesmo e a linha surge enquanto âncora do real. Nesta relação contingente, onde o resíduo espacial sustenta uma certa subjectividade paralela, vou de um ponto para o outro como que desenhando no espaço as camadas de um processo existencial assente na procura de uma intrínseca leveza do ser.

Natércia Caneira



 

 

Em Destaque

Man Ray Noire et Blanche Paris 1926 185

EM ABRIL, NA CASA SOMMER

...

CONVERSAS 185

RAÚL LINO E A CASA DE SANTA MARIA, OU UM POSSÍVEL ARQUITETAR DE CASAS SIMPLES... ...

Agenda

<<  Abril 2017  >>
 Se  Te  Qu  Qu  Se  Sá  Do 
       1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
17181920212223
24252627282930